Boa Cama, Boa Mesa

Siga-nos

Perfil

Perfil

Opinião

Faz sentido um Escanção num restaurante?

Artigo de opinião de António Lopes, Wine Guru do Anantara Vilamoura Algarve Resort, “Sommelier do Ano” em 2014 pela Revista Wine e vencedor do prémio “Arte da Sala 2016” atribuído pela Academia Portuguesa de Gastronomia.

A questão é muito simples: faz sentido ter uma pessoa a vender vinhos e outras bebidas num restaurante? A resposta também é simples: é obvio que sim! Aliás, faz todo o sentido uma vez que está mais que provado que uma pessoa dedicada ao setor das bebidas, como é o Sommelier, aumenta em quase 50% a receita de um estabelecimento. Já para não descurar as outras mais valias, tais como a qualidade de serviço, o controle de custos, a atenção pelo cliente e pelo detalhe, só para enumerar algumas.

Na realidade nacional, muitos são os restaurantes que já se aperceberam disso, e começam a colocar os Sommeliers à frente de toda a brigada. The Ocean, Restaurante Pedro Lemos, Restaurante Enoteca de Belém, entre muitos outros, são alguns dos sítios nos quais o Sommelier assume o papel de liderança total, e assumindo a chefia de uma sala.

Diga-se também que o panorama parece estar a mudar, mas duas questões levanta esta realidade: será que esta procura desenfreada por Sommeliers não é passageira, ou apenas uma “moda” e quando ela passar não será esse funcionário a ser estranhamente posto de parte, pois quem o contratou, não consegue entender a mais valia que ele traz a casa? O segundo ponto é: será que esta busca por Sommeliers não será uma cópia do que aconteceu com os chefes? Hoje em dia temos cada vez mais chefes e cada vez menos cozinheiros, ou seja, temos cada vez menos pessoas nos restaurantes que se preocupam com o bem estar do cliente, boa comida e experiências gastronómicas, o sorriso dos clientes, o apreço, o agradecimento e o reconhecimento público, É que, na realidade, o Sommelier não vende vinho vende experiências, transforma uma refeição em momentos memoráveis, contribui para o regresso do cliente, fideliza-o e, mais do que isso, torna o um amigo .

Falemos também de quem procura estes profissionais. A profissão de Sommelier, ao contrario do que muita gente supõe, não é só “comer e beber”. É uma profissão que pede muito estudo dedicação e investimento. Por isso, quando se procura um Sommelier, convém que os empresários não ofereçam um salário baixo ou equivalente ao de um empregado de mesa. E chamo a atenção, para a maior consideração que tenho por estes profissionais, até porque aprendi muito sendo um. Mas o investimento que é feito pelo Sommelier em provas, estudos, viagens de conhecimento, vinhos e refeições não é equivalente ao de um empregado de mesa. É que só destas formas se vai garantir o conhecimento de quem estará confortável para conversar com o cliente e até para o convencer a gastar mais em busca da sua satisfação. Portugal ainda é um dos poucos países onde o Sommelier é remunerado muito abaixo das suas capacidades. Convém lembrar que o que garante mais volatilidade no rendimento de uma refeição, normalmente, é o vinho.

Que não restem dúvidas: será sempre vantajoso para o cliente (e para o proprietário de um restaurante) ter alguém que ajude a escolher, a surpreender e a tornar uma refeição num momento único. Da mesma maneira, e pensando agora em quem faz vinho, será sempre bom ter junto do cliente alguém que sabe do que fala, quando fala dos produtos, e que o faz com quase tanto carinho como quem os criou.

Já agora: Sommelier ou o Escanção na restauração? Como preferirem, já que não há distinção. Se quisermos ser mais patrióticos poderemos falar de Escanção. Se o que pretendemos é internacionalizar a profissão, escolha-se então Sommelier.

Nota: Artigo publicado, orginalmente, em outubro de 2016