Boa Cama, Boa Mesa

Siga-nos

Perfil

Perfil

Boa Mesa

Cinco restaurantes saudáveis para começar bem o ano

Sejamos sinceros: por esta altura já deitamos filhoses pelos olhos. Começamos, agora que se aproxima o ponto de viragem para o próximo ano, a organizar resoluções e a fazer contas à quantidade espantosa de fritos que fomos capazes de digerir na última semana. Os doces de Natal têm tanto de bom como de traiçoeiro porque nos fazem cair no engodo do “só mais um não há-de fazer assim tanto mal”, embora o guardanapo gorduroso no final diga precisamente o contrário. Contas feitas à vida (e aos valores do colesterol), é chegado aquele momento decisivo em que renunciamos aos fritos e às comezainas desenfreadas para abraçar o ano que se aproxima na melhor forma possível.
Por aqui, ditam as ordens de trabalho que se coma a bom comer, independente da época festiva, mas com o avançar da idade começa a exigir-se alguma cautela nas escolhas alimentares - pelo menos durante os próximos dias.
Posto isto, criamos um roteiro de restaurantes de comida saudável para acabar com os exageros. Diga connosco: dia 1 é o último dia em que cedo à fast food. A partir de dia 2, está a valer. Combinado?

The Paleo Kitchen
O slogan “healthy doesn’t have to be boring” funciona como explicativo do que se faz neste restaurante dedicado ao regime alimentar do Paleolítico. No The Paleo Kitchen come-se como comiam os nossos antepassados, sem glúten, sem lactose e sem açúcares refinados, através de receitas com baixos índices glicémicos. A gordura, tão necessária à saúde, vai-se buscar aos frutos secos e ao salmão, mas a grande aposta está focada nos ingredientes que a terra dá. Muita batata doce e outros tubérculos e, claro, a carne vermelha, que era o que dava sustento aos homens das cavernas. Sugerimos para um bom começo de ano, a sopa thai de frango com gengibre, amêndoas e cogumelos e, de seguida, o tártaro de novilho com molho especial da casa (€14,40). Para terminar, e porque a sobremesa não tem de ser um bicho de sete cabeças, vá pela tarte de limão merengada (€4,50) e confirme que é possível fazer docinhos à maneira sem utilizar açúcar.
Rua Latino Coelho, 31, Lisboa. Tel. 210 105 612

Naked
Quando fizer a pesquisa no Google, lembre-se de incluir a palavra “restaurante” antes ou depois do nome, não vá o resultado ser diferente do que sugerimos. O Naked foi uma das boas notícias de 2017, não só por materializar mais uma boa ideia de Miguel Júdice mas também porque veio dar novo alento à tendência da “comida saudável”. Sem manias, o novo restaurante do Princípe Real, em Lisboa, não alinha em modas e é por isso que se assume como flexitariano, ou seja, não exclui nenhum regime alimentar, seja ele mais ou menos restritivo. Há opções vegetarianas, vegan, paleo e as ditas comuns, todas com a mesma base de ingredientes frescos e sazonais, de produção biológica e com o mínimo de alteração possível. Da carta, elabora em parceria com a blogger Joana Limão, sugerem-se, para começar o ano em equilíbrio alimentar, o ceviche de cogumelos (€10), para entreter, e os ravioli de camarão com ervilhas tortas e algas (€13). Se quiser perder a cabeça no fim da refeição, o fondant de chocolate é o caminho a seguir, mas a mousse de lima (€3,50) talvez seja melhor opção para evitar abusos. Em alternativa, para comer no sossego do lar, existe um serviço take-away
Rua da Escola Politécnica, 85-89, Lisboa. Tel. 925 406 880

Organic Caffe Chiado
Diz-se que a melhor forma de curar uma ressaca é com um cocktail frutado. Com álcool, sim. Não somos de intrigas mas se for o caso de precisar de restabelecer os níveis de hidratação, antes mesmo de se sentar à mesa do Organic Caffe passe pelo bar e peça um Sunny Detox, com gin, licor de laranja, sumo de cenoura, xarope de mel e gengibre (€8). Depois, então, pode pedir a carta e escolher um dos pratos elaborados pela naturopata Mariana Pessanha, onde o que conta é a nutrição à mesa. Vocacionado para a comida saudável, é a própria Mariana que defende que tudo depende do equilíbrio e da escolha de ingredientes de qualidade - uma premissa que se leva muito a sério no restaurante. Comece com umas bolinhas de vegetais com molho de coentros (€3,5) e siga pelo veggie burguer, uma das especialidades que sai da cozinha e o favorito de quem segue um regime vegetariano. Para os carnívoros, o frango com batata doce, açafrão e cenoura (€10) promete devolver os nutrientes deitados ao lixo durante as festas. Termine com a mousse de chocolate em base de amêndoa e aveia, e adoçada com açúcar de coco. Aqui não se permite a entrada a alimentos processados, pelo que as sobremesas nunca incluem a adição de açúcar refinado.
Rua da Misericórdia, 139, Lisboa. Tel. 213 471 644

Bowls&Bar
Em Lisboa, concordando com a ideia de que “comer em tacinhas, agora é uma cena”, a moda pegou e o Bowls & Bar, aberto recentemente na esquina da Rua de São Bento com a Rua de São Marçal, é um digno representante do movimento. Para o pequeno-almoço, que é servido a qualquer hora do dia, há as clássicas bowls de iogurte e granola (€5) com sementes de chia e girassol, hortelã e flores comestíveis e uma sugestão particularmente original, a turca, que junta iogurte com molho de tomate, ovos cozidos, brotos de ervilha e pão (€8). Depois, para o almoço e jantar acrescenta-se a proteína animal e nascem as bowls de atum, salmão, bife e vegetariana, que partilham uma base de arroz, vegetais marinados e outras verduras frescas (a partir de €8). Mas, como em Portugal, se deve ser português, o conceito alargou-se a outros pratos para comer à mão, desta vez numa vertentes mais petisqueira, onde não faltam o paté de fígado de frango com ameixas (€4), as tábuas de queijos e enchidos e o camarão em molho de pesto cremoso (€8). Com horário alargado até à meia-noite, o Bowls&Bar é também cafetaria e bar de cocktails de assinatura, alguns dos quais concebidos para acompanhar as refeições, como é o caso do spritz de morango(€8)
Rua de São Bento, 51, Lisboa. Tel. 934 413 708

Frutaria
Acorda com aquela vontade de comer porcarias mas sabe perfeitamente que o corpinho pede nutrição depois de tanto mal que lhe foi feito nos últimos dias. O coração divide-se entre a coca-cola e um sumo de fruta natural bem fresquinho e antes de cair na tentação do refrigerante, meta-se a caminho da Baixa e vá tratar da saúde à mesa da Frutaria, o novo restaurante/cafetaria da cidade onde tudo o que vem à mesa foi pensado para fazer o bem. Não se dedica exclusivamente à fruta, como o nome pode eventualmente sugerir, mas usa-a em grande parte dos pratos, o que por si só dá logo aquela ideia de se estar a fazer a escolha certa. Comece com o hangover cure, um smoothie simples e muito eficaz naquilo a que se dispõe, com banana, gengibre, leite de coco e gelo (€4). Vá pela sandes vegana, com cenoura, curgete, tomate assado, abacate e maionese vegana de manjericão e lima (€4,40) e acompanhe com um chá verde com pêra Rocha (€1,20). Para um pequeno almoço fora de horas, há taças de aveia caseira, açaí e ovos que podem ser escalfados ou mexidos com abacate e feta ou espargos e presunto (desde €6,50)
Rua dos Fanqueiros, 269, Lisboa. Tel. 913 002 211

Acompanhe o Boa Cama Boa Mesa no Facebook e no Instagram!