Boa Cama, Boa Mesa

Siga-nos

Perfil

Perfil

Boa Mesa

Restaurante Gambrinus: 80 anos ao serviço da arte de bem comer!

Mario Joao

São poucos os chamados “alfacinhas de gema” que afirmem nunca ter cruzado as portas do número 25 da rua das Portas de Santo Antão. Nestas últimas oito décadas, o Gambrinus foi para a cidade de Lisboa e, na verdade para o resto do país, uma verdadeira instituição, que quase toda a gente conhece e que, pelo menos, já provou um croquete e bebeu uma imperial na barra do restaurante, que é como quem diz, ao balcão.

O restaurante Gambrinus faz 80 anos, foi registado a 14 de julho de 1936, e a data será assinalada, com toda a certeza, por muitos daqueles que fizeram deste espaço uma espécie de segunda casa. Os artistas, pela vizinhança do Coliseu de Lisboa, começavam ou terminavam ali noites seguidas de atuações, os políticos alinharam alianças, derrubaram coligações e alinhavaram programas de governo e negócios, milionários ou fracassados, firmaram-se com brindes numa das mesas das três salas da casa.

Não restam dúvidas que o restaurante é um espaço de história e de “estórias”, cumplicidades e companheirismo, um símbolo incontornável da cidade. Pesa também, para esta importância, o valor do desenho de Maurício de Vasconcellos, autor da remodelação e dos candeeiros, mesas e cadeiras, bem como a tapeçaria e os vitrais de Sá Nogueira, os óleos de Jorge Pinheiro e Espiga Pinto.

Mas o que faz do restaurante Gambrinus uma referência é a carta diária, sem grandes oscilações e dominada por uma clara influência francesa. Os ex-líbris da casa: empadão de perdiz à segunda-feira (€30), sopa rica de peixe à quarta (€32), à quinta o Eisbein com choucrute (€38), o bacalhau à Chico Lage (€28) das sextas-feiras, o cabrito assado à Souto Mor (€30), não abandonam as propostas regulares. A parrilhada de mariscos (€78) para duas pessoas, o rosbife à inglesa (€24) e a perdiz em molho vilão (€22) são igualmente obrigatórios.

Quando o restaurante Gambrinus celebrou 75 anos, nas páginas do jornal Expresso, José Quitério escrevia: “É caro? Pois é, mas não é para todos os dias. Lisboa sem o Gambrinus não era a mesma coisa. Até ao centenário!”

Gambrinus
Rua das Portas de Santo Antão, 25
Lisboa
Tel. 213 421 466

E Mais:
À Mesa com José Quitério: Restaurante Gambrinus
Restaurantes e políticos: As mesas onde se decide o futuro de Portugal

Acompanhe o Boa Cama Boa Mesa no Facebook e no Instagram!